quinta-feira, 6 de abril de 2017

A mosca


Nobre amigo, cá estou na mesma esquina
Cuspo o tempo que encolheu sem dó ou piedade
Olhos rotos, incinera-me a cidade
No ofício de rimar cumpro minha sina

Cãs cabelos, guardiões da boemia
Tez disforme e o calejo ocupa o palmo
Parlas rasas, mansa tarde, dia calmo
São fantasmas que me fazem companhia

Peço outra e a mosca pousa no meu copo
Bicho escroto a caçoar de quem se ocupa
Doutra tarde que se esvai desocupada

Vida amorfa, brevidade sem escopo
Dela ou minha, me questiono qual mais curta
A mosca voa. Eu postulo outra gelada

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)