sexta-feira, 7 de abril de 2017

A mosca II


Padeço de delírios à surdina
Que o meu verso morteiro e sujismundo
Não tem vigor, não passa de um resmungo
Há um coro dos contentes noutra esquina

Aqui só tem maldito e vira-mundo
Um velho bebe e cospe na calçada
Um moço conta moedas, tez suada
Labora, mas lhe chamam vagabundo

A mosca torna e pousa feito esfinge
Do meu copo propõe mais um enigma:
“Se farto é o que ladeia, qual a margem?”

Respondo “Oh nobre mosca, isso é bobagem”
Dou gole e lhe proponho um paradigma:
“Se dizem marginais os que pior fingem.” 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)