domingo, 19 de fevereiro de 2017

Hábito


"meu sono, quando maduro, seria colhido com a volúpia religiosa com que se colhe um pomo" Lavora Arcaica.

 Arte: Malcolm T. Liepke

Amaino a febre em teu corpo-lavoura
Palavra é sina ruim que talha o peito
Retém no bojo arroubo insatisfeito
De sempre requerer vez duradoura

Pro alor dos seus gemidos que me deito
Refém da relva, luz da manjedoura
Se crio, há criação, forma vindoura
Por vezo de inventar que me deleito

Afano de estertores à surdina
Memória d’uma incestuosa gesta
Deu vida ao meu quintal, pomba-menina

Os olhos são candeia, o corpo é festa
Os sóis bailam no céu, luz fescenina
Atear fogo pro gozo é o que me resta

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Madrugada

Arte: Gérard Schlosser

Desmedido ser, sonho anelado
Desvairada rosa, flor infame
Gozo em verso e prosa o teu forame
Sobre o teu furor ando cismado

Ávida e tenaz, propõe certame
E descerra vasta do meu lado
Cedo à perdição, tardo esfaimado
Cubro-lhe de tinta, o que é retame

Nas horas soturnas faz-se afável
Ladroas meu sono e minha memória
Face à alvorada irrevogável

Eis-nos dois gozados, dois sem glória
Díade infeliz, par miserável
Tu és desrazão, eu sou escória