quarta-feira, 25 de maio de 2016

Crime

Ilustração: Milo Manara

Gozaste os meus escritos, ó devassa
Puseste o seio à mostra, a carne à seiva
Foste fecunda gleba, opima leiva
Mas teu soez lobrego já não grassa

Abraso o teu instinto, ó bruta fera
Com meu pulso voraz como tua vulva
Após premido o vinco, a língua fulva
Latejo ao vil rebento ela prouvera

Atiras-te ao abismo, ó imprudente
Olvidas que é um delito a poesia
E o réu, mesmo confesso, ainda mente

Arguto, quis forjar uma atresia
Mas não posso safar-me impunemente
O solfejo dos teus ais me denuncia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)