terça-feira, 11 de maio de 2010

Poema Inacabado

Leitor,
favor de mim nada esperar:
Eu não vou rimar o ar com o mar,
não quero a rima vulgar!
Estou cansado destes verbos já tão gastos:
falar, pensar, chorar, amar...
NÃO! Eu não vou rimar!
eu não vou rimar saudade com vontade, tesão com coração...
como nestas cansativas canções no rádio
à distrair a cidade e o cidadão,
onde a seguinte estrofe é sempre presumível,
Senso comum de rima em mim não é cabível !
Eu quero a Aliteração : orgasmo consonantal,
Um neologismo inesperado declamado em [red]cor.vadia
por uma boca esguia em uma estrofe inacabada,
Da retina eu quero a sinestesia,
orgia textual,poesia na madrugada!
Eu gosto do que ninguém entende
e o que todo mundo deduz,
Poeta é o que te seduz
e não o que tu compreendes !

(...)

10 comentários:

  1. "Poeta é o que te seduz e não o que tu entendes"

    Ninguém entende. Ninguém!
    Tenta-se adivinhar o que por detrás está,
    de tantas metáforas, tantas metas, botas fora.
    Poeta é um pó sem meta, é um escondidinho,
    com as pontas dos dedos de fora...

    Bjs
    Livinha

    ResponderExcluir
  2. Teu estilo é tão forte, sensível e muito sensorial. Gostei do conceito e proposta do seu blog, caro Juliano.

    É como dividirmos suas sensações aqui, cúmplices da sua poesia que ferve sentido.

    Te sigo.

    ResponderExcluir
  3. nossa, eu gostei tanto de como escreveste aqui que toda palavra que digitar será tola demais. não me estendo em tentar, de nada adiantaria. te seguindo!

    ResponderExcluir
  4. "Eu quero a Aliteração : orgasmo consonantal" ^o^
    hum...
    "Poeta é o que te seduz
    e não o que tu compreendes !" ^o^

    ResponderExcluir
  5. Q seja feita a tua vontade, Poeta...

    .
    Sentir é a gde diferença!

    =)

    mto legal!

    ResponderExcluir
  6. Agora uma metáfora: Gozo o teu verso, vaso de alabastro, moldado pela escuridão... Abraço!

    ResponderExcluir

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)