domingo, 29 de janeiro de 2012

Escunas

Que têm os barcos, com meu peito aberto em suas proas e meus viveres inscritos em seus cascos, de tão poéticos? Diz-me um amigo, sabido dessas cousas, que trazem meus sucessivos cadáveres amarrados em seus mastros, que venho à tona de todos os naufrágios. E sempre há nas enseadas um olhar tenro me esperando, um afago semântico sobre este corpo marcado pelas travessias...

2 comentários:

  1. Carrego comigo grandes marcas de minha travessia...

    ResponderExcluir
  2. "O mar batia em meu peito, já não batia no cais"

    Drummond.

    ResponderExcluir

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)