quarta-feira, 13 de outubro de 2010




17 comentários:

  1. A sensação ao ler seu texto pode ser comparada a de beber água após um longo período suportando sede...

    Você é um poeta cruel!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Vc é poeta raro e categórico.


    Bjs *--*

    ResponderExcluir
  3. Novamente a semiótica é intrigante.
    Borges disse que o passado é o melhor tempo para morrer. Aqui só lemos as reticências do hoje. Mas são reticências, tanto quanto os mistérios humanos.

    grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. E seu presente seja sempre esse presente de sensibilidade...
    Por onde andavas?
    Abçs!

    ResponderExcluir
  5. Poema de GRANDE sensibilidade!

    Beijos, Juliano!

    Parabéns!

    Mirze

    ResponderExcluir
  6. Juliano, boa surpresa encontrar você encarando a poesia visceral. Sou assim também, densa por demais... E o que me motivou a escrever neste post é o fato de me definir sempre assim:
    ( ... ) Sou um universo reticente entre parênteses.

    Me visite no meu olhar:

    http://meuolharantropofagico.blogspot.com

    Saudações poéticas... Bjo

    ResponderExcluir
  7. A leitura é o toque: atravessa papel, letra, tela...

    ResponderExcluir
  8. vc é um poeta lindo,com uma verdade latente,doida para ser escancarada....

    não sei explicar com palavras.... só sei sentir suas (entre)linhas,e sentindo tudo se explica aqui dentro de mim.

    um beijo,juliano.

    ResponderExcluir
  9. Andei meio ausente por vários motivos, mas aos poucos estou voltando

    abraço!

    ResponderExcluir
  10. Quanto a palavra é feita do presente, não mais encanta, mergulha.

    Beijos guri poeta!

    ResponderExcluir
  11. Juliano; encantada de estar por aquí y leerte...
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  13. o presente é agora, agora, agora, agora, agora, PUTZ! nunca o alcançarei? (Belo texto! Abraço, Jacson)

    ResponderExcluir

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)