domingo, 7 de novembro de 2010

PÔR na graFIA.


A palavra que escrevo
é o meu próprio algoz
me entrega nas entrelinhas
entrelínguas ao leitor
me sacia os devaneios
e então cobra o seu valor
Pede o dobro só pra ouvir
o que te “falo
e tu não presta
tem
são
Não! Tu nunca prestou!
Assim como a palavra
que se disputa
Santa porfia
simula orgasmos no papel
pra pôr na grafia
nele é vital ser infiel
Pra te ver
declamar
Toda semana
Vestes
O silêncio da palavra
E se diz
Puta
Escrita
Santa
Mulher.

14 comentários:

  1. Sempre é bom ler-te de novo e mais uma vez...e sempre!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. poeta dos bons,dos mais lindos e profundos....

    me encanta demais!

    tua palavra soa forte em mim,juliano!

    ResponderExcluir
  3. É por isso que digo: Que se danem essas filhas das Santas. E pode deixar, que dessas Putas, cuido eu.


    Te beijo!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Estava navegando na blogosfera e me deparei com teu blog, adorei!
    Amo fazer novas amizades, conhecer pessoas, idéias, outras perspectivas.
    Teu cantinho é belo e sensual.
    Já estou te seguindo...
    Se puder visita meus blogs.
    Bjs doces como mel da

    *´¨)
    ¸.•´¸.•*´¨) ¸.•*¨)
    (¸.•´ (¸.•` *♥ Mel Dupla Personalidade ♥*♥*♥*♥*♥*♥*♥*♥*♥

    ResponderExcluir
  5. esse aí é bom de verdade!hehhehe

    ResponderExcluir
  6. Uau!!!!!
    Q poetar!
    Esplêndido!
    Vc eh tão criativo q o coloquei numa lista de desafio lah no meu blog. Quero mt v cm o realizaria.
    Se o fizer, avise-me, por favor.
    ;) bjs***

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Escrever para mim é apenas escrever, mas pra ti é um dom.

    Vim pra ficar!

    Beijos moço

    ResponderExcluir
  9. Vocábulos em "Santa Porfia",
    a palavra no cio se disputa
    para pôr na grafia,
    acaba em cicuta
    toda vã filosofia!

    ;o)

    ResponderExcluir
  10. Fico sem palavras diante de suas linhas..

    ResponderExcluir

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)