quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Orgíaca

Imagem: Autor desconhecido/ Fonte: Pinterest.

Orgíaco labor que me consome
Deitar tantas palavras num soneto
Cumprir todas mentiras que prometo
Das putas que inventei saciar a fome

Famélicas letais, propõem quarteto
A tríade se despe e eu que as dome
Escravo do escrever que me consome
Afagos, felações, tudo eu cometo

Astuto, feito um bardo que dardeja
Maus versos que a todas, sim, convêm
Mas dizem só daquela que ele almeja

Maldito, não tem nome e nem vintém
Sua glória se resume a uma cerveja
Que paga ao escrever sobre um alguém

Um comentário:

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)