sábado, 18 de fevereiro de 2017

Madrugada

Arte: Gérard Schlosser

Desmedido ser, sonho anelado
Desvairada rosa, flor infame
Gozo em verso e prosa o teu forame
Sobre o teu furor ando cismado

Ávida e tenaz, propõe certame
E descerra vasta do meu lado
Cedo à perdição, tardo esfaimado
Cubro-lhe de tinta, o que é retame

Nas horas soturnas faz-se afável
Ladroas meu sono e minha memória
Face à alvorada irrevogável

Eis-nos dois gozados, dois sem glória
Díade infeliz, par miserável
Tu és desrazão, eu sou escória

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Respeitar o trabalho do outro consiste justamente em submetê-lo à crítica mais rigorosa" (José Borges Neto)